Brasil descarta 53% de garrafas PET na natureza

Utilizadas principalmente por indústrias de refrigerantes e sucos, as garrafas PETs movimentam hoje um mercado que produz cerca de 9 bilhões de unidades anualmente só no Brasil, das quais 53% não são reaproveitadas. Com isso, cerca de 4,7 bilhões de unidades por ano são descartadas na natureza, contaminando rios, indo para lixões ou mesmo espalhadas por terrenos vazios. Entre 1995 e 2005, a produção de PET, o plástico politereftalato de etila, para a fabricação de garrafas subiu de 120 mil toneladas para cerca de 374 mil toneladas, alavancada principalmente pela indústria de refrigerante.

Agora, o que tem despertado a preocupação de ambientalistas e autoridades ligadas ao setor é o interesse crescente de fabricantes de cerveja por esse tipo de embalagem. Duas pequenas empresas já usam o produto para comercializar chope em São Paulo, e uma terceira, em Recife, está testando resina plástica para embalagem de cerveja. Segundo a engenheira química Renata Vault, seriam necessários mais 4,5 bilhões de garrafas para atender à demanda das cervejarias.

Além do problema com o descarte das unidades na natureza, especialistas chamam a atenção para o fato de hoje não haver responsabilidade jurídica sobre a destinação do material por parte de quem fabrica ou consome PETs. Diferentemente do que acontece com latas de alumínio, que pela reciclagem voltam a ser latinhas, PET não pode ser transformado novamente em garrafa.

Apesar de 53% da produção ainda não ser reaproveitada, especialistas também lembram que a própria reciclagem não é a melhor opção. “A reciclagem tem um custo muito alto para o ambiente”, diz Renata Vault, que também é autora do livro Ciclo de Vida de Embalagens para Bebidas no Brasil. Para fazer a reciclagem do excedente atual, seriam necessários 224 milhões de quilowatts por hora de energia elétrica e 120 milhões de litros de água. “O ideal seria a redução do uso deste tipo de embalagem”, afirma Renata. Sobre o baixo índice de reciclagem, a engenheira diz ser difícil dimensionar se é decorrente da falta de capacidade das recicladoras ou da dificuldade de coleta.

Fonte: http://www.reciclaveis.com.br/noticias/00711/0071105pet.htm




Se você gostou deste artigo, deixe um comentário abaixo e considere
cadastrar nosso RSS, para ser notificado nas próximas atualizações do blog.

Comentários

: Tenho um projeto denominado PETijolo, em processo de Registro de Desenho Industrial na FAPEMIG, que trata exatamente do desperdício de embalagens PET no meio ambiente. Gostaria de um endereço eletrônico para enviar o croqui e resumo do Projeto, se possível que fosse encaminhado à Sra Renata Vault, autora do artigo sobre descarte de garrafas PET. Esse Projeto promete incentivar seu uso, diretamente após o consumo. Obrigado, Luis Falci.

Estou fazendo uma pesquisa para preparação de um artigo, e quando li esta texto me chamou atenção da necessidade de um estudo sobre o custo da reciclagem, temos que considerar não apenas o custo de processo mas também os gastos que temos sobre problemas ambientais.
Como atuante na area de logistica, acredito que a logistica reversa somado a orientação a população, uma legislação especifica e fiscalização atuante pode minimizar este problema.
Temos que criar um ciclo de responsabilidades desde o fabricante do PET até o consumidor final.
Tenho um projeto em estudo que propõe um maior controle, desde a fabricação até o consumidor final, com utilização da logistica ( distribuição, reversa, Tecnologia de Informação, sistemas de controles).

Boa tarde! O problema não é esse, o problema e que as pessoas são ingnorantes de mais nesse pais, e os mais dão mal exemplos as seus filhos, meu filho tem 4 anos e começou as 2 anos, tenho um tambor de reciclagem em casa e coloco todos os tipos de embalagens e coisas para reciclicar, quando nós não fazemos reciclagem, não dá pra ter nenhuma noção do tanto de lixo(reciclagem) que fazemos, temos que começarmos na escola, porque se não, não tem solução, você imagina que todos os fumantes são porcos, não tem coragem de jogar a bituca de cigarro no cinseiro do carro! pode parar, cada um tem que fazer a SUA parte, porque não dá para eu fazer a minha e a de outro!

Achei muito interessante esse artigo minha escola ta fazendo tipo uma amostra de produtos reciclaveis e eu e meu grupo escolhemos garrafa pet como tema e hoje no Brasil e no mundo a garrafa pet e muito importante.

Bom Dia,

trabalho em uma empresa que esta trazendo ao mercado um produto que faz com que as pessoas usem muito menos as garrafas pet, tantod e agua quanto de refrigerante. Preciso entrar em contato com a Renata Vault,para esclarecer algumas dúvidas sobre isso. Alguém teria o contato dela? Um e-mail ou algo assim?

Obrigada!

Estou fazendo meu TCC sobre logística reversa de garrafas pet, e achei muito bom este texto, como faço p/ obter mais informações sobre este tema?
Obrigado

sou aluno do curso tecnico em segurança do trabalho e gostei muito do texto postado. as garrafas pet são de fato um enorme problema ambiental. o que eu não sabia é que a reciclagem não convencional está longe de ser a melhor solução. valeu.

É ESSE O GRANDE PROBLEMA SÓ FALAM NAS SACOLAS PLÁSTICAS DOS SUPERMERCADOS, NÃO TEM A MENOR POSSIBILIDADE DE ACABAREM COM AS SACOLAS PLÁSTICAS DOS SUPERMERCADOS. SOLUÇÃO INCENTIVA A RECICLAGEM QUE RESOLVE, AQUI NA MINHA CIDADE NÃO SE ENCONTRA UMA SACOLA DE MANEIRA ALGUMA NAS RUAS TODAS VÃO PARA RECICLAGEM E É PORQUE NAO TEM NEM UM TIPO DE APOIO DOS GOVERNATES. AGORA PROBLEMA GRANDE SAO AS GARRAFAS PET ESPALHADAS POR TODO O PAIS SÃO BILHÕES PRODUZIDAS POR ANO QUE ESTÃO AI ENTUPINDO BUEIROS RUAS E CAUSANDO ENCHENTES NAS CIDADE, MAS PARA ISSO TEM QUE MEXER COM GRANDES EMPRESAS PRECIPALMENTE COM AS DE REFRIGERANTE, EX: COCA-COLA E AI COMO E FICA? EU TENHO A SOLUÇAO COMO NO CASO DAS SACOLAS QUE TEM DE LEVAR DE CASA PARA O MERCADO OU ENTAO USA SACOLAS DE PAPEL AS EMPRESSA DE REFRIGERANTE VAI TER QUE COLOCAR OS REFRIGERANTE EM SACOS DE PAPEL OU ENTAO COLOCAR TANQUES COM REFRIGERANTE EM CADA ESQUINA. EU ACHO QUE TEM COISA MAIS IMPORTANTE PARA SE RESOLVER.

Gostei do blog. Muito boa a matéria sobre as garrafas pet. Acho que estamos ainda no começo de uma conscientização das pessoas, que vai levar muito tempo ainda para que se consiga colocar na cabeça das pessoas o que vai ser bom não só para elas, mas para seus filhos e netos e futuras gerações. Moro em área de muitos animais silvestres e ainda há aqui caçadores e, pasmem, são tidos como ecologistas, que pregam a reciclagem, a defesa dos animais silvestres, o não engaiolar passarinhos… Por aí, dá para se ter uma idéia do quão difícil é conscientizar nosso povo… Fala-se uma coisa e pratica-se outra. Um abraço.

Na minha opnião é bem melhor a reciclagem,porque além de reaproveitar a garrafa em outros meios gera renda,mas muitas pessoas não sabem disso temos que fazer uma politica de concientização ambiental,só assim para vivermos em um país melhor.

Olá, Luis Otávio. Realmente precisamos de uma política de conscientização ambiental, e de cidadãos que se deixem contagiar por esta idéia, como você. Grata pela participação! Adriana Kortlandt

Olá a todos! concordo com Luis e Adriana, porém a questão da garrafa pet é mais delicada do que parece. Atualmente o Brasil desperdiça cerca de 53% das garrafas pets, havendo um grande número indo para os lixões e contaminando o ambiente, isso porque ela demora cerca de 100 anos para se decompor.
Desta maneira parece, ao menos a primeira instância, que a culpa é do governo por não incentivar tanto a reciclagem. Entretanto é muito dificil de se reciclar esse tipo de material, precisa-se de muita energia e uma garrafa PET não pode ser transformada novamente em PET.
O principal problema está no excesso de seu uso. Em si a PET é uma tecnologia muito boa, o problema maior consiste na demanda de produção exigida pelo mercado globalizado. Uma nova tecnologia, que não polua e seja totalmente benéfica ao meio ambiente é utópica ao meu ver. Podemos encontrar uma tecnologia que polua menos, entretanto continuará poluindo. Somado isso ao ritmo de produção capitalista continuaremos tendo problemas ambientais graves. Acredito que trocar um problema por outro daria no mesmo, apenas perderíamos tempo procurando algo que prejudicasse um pouco menos, porém o problema principal não seria evitado: o desgaste do meio ambiente.
Acho que enquanto existir esse sistema que só visa lucro em detrimento de empresas, nada podemos fazer, pois os problemas não acontecem isolados, muito pelo contrário, são comutativos.

luis carlos falci ferreira fiquei curiozo com oteu progeto gotaria de saber como seria meu email carlos.machado.rios@gmail.com

parabens tomare que tiro dez no trabalho eu nao copiei todo o texto so copiei o mais importante espero que publique mais pois teremos que acabar com a garrafa pets.Tenho 11 anos e estou na 5 serie
adorei!!

adorei pq agora sabemos que fazen mal a natureza.
VAMO0S CUIDA DO PLANETA!!!

Obrigador por este artigo onde estou fazendo uma pesquisa sobre melhorias de produtividade em garrafa pet para trituração este e meu tema de tcc.

Comente este artigo

(obrigatório)

(obrigatório)