Resíduos triturados rendem energia para empresas

Independentemente do setor de atuação, indústrias de todos os portes geram uma grande quantidade de resíduos. Onde muitos enxergam um problema, uma empresa encontrou uma solução: produz fragmentadoras, trituradoras, esteiras e prensas, entre outras máquinas, que permitem reaproveitar o material descartado e, ainda, transformá-lo em insumo para produção.

Um caso emblemático é a trituração da palha da cana. Com o equipamento, é possível transformar esse material em biomassa, combustível que não só pode suprir toda a demanda energética da usina, mas também gerar excedente para a rede elétrica nacional. “Antigamente, o bagaço era queimado, uma prática extremamente poluente. Assim, além de econômico, o uso do sistema é sustentável”, explica Hélio Makoto, diretor da Fragmaq.

No caso dos trituradores, há emprego em diversos outros setores, como madeireiras que transformam as aparas em combustível para a venda, assim como indústrias automobilísticas e alimentícias com excesso de pallets velhos nas suas plantas, como também a indústria farmacêutica que utiliza a técnica para destruir produtos não conformes. O papel picado, serve para utilizar na embalagem de peças delicadas, como porcelana; o plástico picado é usado para reciclagem e fabricação de novas peças e produtos com erro de fabricação podem ser triturados e separados para posterior reenvase. E os produtos como palha de cana, palha de milho, viram biomassa.

Vários outros exemplos já publicados aqui: Entulho de obra; cartões de crédito, isopor e até dinheiro!

 

 

 

 

 

 

Inovador brasileiro recebe prêmio do Governo dos EUA sobre tecnologia de limpeza de solo contaminado

Estima-se que 81 milhões de toneladas de solo contaminado são produzidas a cada ano.

Selecionado entre 60 propostas de inovadores de 12 países, o engenheiro químico paulistano e inovador, Fernando Pecoraro, recebeu o prêmio de melhor desafio nos avanços na área da química verde do Departamento de Ciência e Tecnologia dos Estados Unidos, em janeiro de 2015. Seu projeto, que foca na limpeza de solos contaminados com qualquer tipo de óleo, usa a casca de laranja como principal componente.

Fernando Pecoraro foi selecionado pelo programa LAUNCH – uma parceria firmada entre o Departamento de Estado dos Estados Unidos, a NASA, a Nike e a Agência Para o Desenvolvimento Internacional dos Estados Unidos (USAID). “As soluções implantadas nos dias de hoje não são tão atualizadas e não resolvem de uma forma eficaz a descontaminação do solo. Isso me chamou a atenção e me levou a seguir com o meu sonho e desenvolver uma nova tecnologia com resultados melhores e mais sustentáveis,” disse Fernando Pecoraro.

No fórum, que se realizou no Centro Espacial Kennedy na Flórida, os inovadores apresentaram suas soluções e participaram de discussões com membros do Conselho do LAUNCH, que representam vários setores como: comércio, investimentos, políticas públicas, ciência, sustentabilidade, regulamentação governamental e desenvolvimento internacional. Com essa invenção, Pecoraro passa a integrar o rol de grandes inventores de química verde de 2015.

Metas de Aichi são tema de evento amanhã no MMA, em Brasília

Amanhã, dia 26/3/2015, às 17h30min, acontecerá o lançamento nacional da publicação “Contribuições do Setor Empresarial Brasileiro para o Cumprimento das Metas de Aichi 2011-2020”, realizada pelo CEBDS, e também do Anuário Mata Atlântica 2014, do Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica (CNRBMA). As publicações serão divulgadas durante a oficina de indicadores do PainelBio, no Auditório do Ministério do Meio Ambiente, em Brasília, SEPN 505 Norte, Bloco “B”, Edifício Marie Prendi Cruz- Brasília – DF.

A publicação do CEBDS apresenta estudos de caso sobre as contribuições do setor privado brasileiro para o cumprimento das metas, além de recomendações do setor para a implementação do Plano de Ação 2020 no país, abordando os desafios e as oportunidades que este tema apresenta para o setor empresarial.

Já o Projeto “Anuário Mata Atlântica – Monitoramento das Metas de Aichi (CDB) 2011- 2020” foi desenvolvido com o objetivo de monitorar as metas globais e nacionais para a biodiversidade nos 17 estados brasileiros ocupados pelo bioma. A Reserva da Biosfera da Mata Atlântica se comprometeu a, além de apoiar o esforço do Governo Brasileiro para cumprir as Metas de Aichi e Metas Nacionais, promover o cumprimento e o monitoramento destas metas e a estimular para que os estados, os municípios e os diversos segmentos.

O PainelBio é uma organização de várias instituições governamentais, da sociedade civil e da academia, sobre governança da IUCN e com apoio do MMA e da GIZ, que tem como objetivo final criar um Plano de Trabalho e Monitoramento para a implementação das Metas de Aichi no Brasil. Como primeiro trabalho, o Painel, através de encontros com diversos representantes do Governo, da Sociedade Civil e da Academia, adaptou as Metas de Aichi para o contexto brasileiro, elaborando as Metas Nacionais de Biodiversidade. Na fase atual, o Painel está conduzindo uma série de reuniões para que possam ser estabelecidos os indicadores que permitirão avaliar o sucesso ou não do cumprimento de cada meta em âmbito nacional.

O que são as Metas de Aichi?

O Plano Estratégico de Metas da CDB (Convenção pela Diversidade Biológica) para 2020 foi aprovado durante a COP-10, realizada em Nagoya no Japão, e define 05 objetivos e 20 metas que suportam as diretrizes e ações necessárias em prol da conservação da diversidade biológica e do desenvolvimento sustentável para o planeta. Esse conjunto é denominado Metas de Aichi para a Biodiversidade. Estas metas globais foram adequadas ao Brasil a partir de resolução da CONABIO e passaram a configurar as metas nacionais de biodiversidade para 2020. As 20 metas nacionais estão distribuídas nos 05 objetivos, que são:

1) Tratar das causas fundamentais de perda de biodiversidade, fazendo com que as preocupações com a biodiversidade permeiem governo e sociedade;

2) Reduzir as pressões diretas sobre a biodiversidade e promover o uso sustentável;

3) Melhorar a situação da biodiversidade, protegendo ecossistemas, espécies e diversidade genética;

4) Aumentar os benefícios de biodiversidade e serviços ecossistêmicos para todos; 

5) Aumentar a implantação, por meio de planejamento participativo, da gestão de conhecimento e capacitação.

Fonte: CEBDS

ANA recebe inscrições para 3,1 mil vagas em cursos gratuitos sobre recursos hídricos

Capacitações acontecem na modalidade a distância e sem tutoria. Seis temas estão disponíveis, como: Lei das Águas, Sala de Situação e comitês de bacias

 A partir desta segunda-feira, 23 de fevereiro, estão abertas as inscrições para 3.100 vagas em cursos gratuitos oferecidos pela Agência Nacional de Águas (ANA) na modalidade de ensino a distância (EaD). As inscrições podem ser realizadas através do site http://eadana.hospedagemdesites.ws/ até 1º de março ou antes desta data, caso todas as vagas sejam preenchidas antes. Há capacitações com os seguintes temas: Sala de Situação: Fique por Dentro; Cuidando das Águas; Caminho das Águas; Comitê de Bacias: o que É e o que Faz?; Comitê de Bacias: Práticas e Procedimentos; e Lei das Águas.

Os interessados podem se inscrever em até dois cursos simultaneamente e receberão a confirmação de matrícula no primeiro dia da capacitação. A seleção será feita por ordem de inscrição. Os alunos que conseguirem 60% de aproveitamento nas avaliações terão direito a um certificado, sendo que o tempo de duração das atividades pode ser menor que o previsto, conforme o desempenho de cada um. Para facilitar a aprendizagem, as atividades estão estruturadas através de uma navegação sequencial entre módulos e o material está disponível em formato PDF.

Com quatro turmas e uma carga de quatro horas, o curso Sala de Situação: Fique por Dentro busca apresentar a Sala de Situação da ANA, seu funcionamento e sua importância no contexto de eventos críticos, como cheias e secas. Cada grupo terá 100 alunos e as atividades acontecerão respectivamente nos seguintes períodos de março: de 3 a 8; de 9 a 15; de 16 a 22; e de 23 a 29.

O curso Cuidando das Águas oferece 500 vagas e tem um total de 40 horas. Esta capacitação visa a promover uma reflexão sobre a responsabilidade de cada um no uso sustentável da água. Outro foco é sobre as possibilidades de melhoria da qualidade dos recursos hídricos, em cooperação com os setores usuários, organizações não governamentais, governos e entidades de meio ambiente.

Também com 40 horas de duração, o curso Caminho das Águas tem 600 vagas disponíveis. A capacitação, que vai de 3 a 29 de março, tem como objetivo promover a educação e a conscientização da sociedade a partir de conceitos e práticas relacionados aos recursos hídricos.

Para o curso Lei das Águas, a ANA oferece 800 vagas, divididas em duas turmas. A primeira vai acontecer de 3 a 15 de março e a segunda vai de 16 a 29 de março. Nas 20 horas de atividades, os alunos poderão compreender a Política Nacional de Recursos Hídricos e os conceitos básicos da gestão destes recursos.

De 3 a 15 de março acontecem as 20 horas de atividades do curso Comitê de Bacias: o que É e o que Faz? que tem 400 vagas. O objetivo é ensinar sobre as atribuições e responsabilidades dos comitês e incentivar a participação da sociedade na gestão de recursos hídricos.

Com 20 horas e 400 vagas, a capacitação Comitê de Bacias: Práticas e Procedimentos vai de 16 a 29 de março. Este curso busca ensinar a dinâmica de funcionamento da estrutura organizacional dos comitês para melhorar o processo de gestão nesses colegiados, que funcionam como “parlamentos das águas”.

Capacitação

A ANA realiza capacitações para as entidades que compõem o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos (SINGREH) e para toda a sociedade brasileira. O objetivo dos cursos é estimular a conservação e o uso sustentável da água, além da participação cidadã na implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos. Em 2014, a Agência capacitou mais de 22 mil pessoas. Para 2015, a expectativa é bater este recorde. Saiba mais no Portal da Capacitação da ANA: http://capacitacao.ana.gov.br/Paginas/default.aspx.

Prêmio Chico Mendes

São Paulo, 18 de dezembro – A educação ambiental abrangente e a preocupação com a sustentabilidade desenvolvidas pela Arteris, por meio do Programa Viva Meio Ambiente, foi reconhecida por um dos mais importantes prêmios ambientais brasileiros, concedido pelo Instituto Chico Mendes. É o resumo do que ocorreu na noite da segunda-feira, 9 de dezembro, no Memorial da América Latina, quando a Arteris recebeu o Prêmio Socioambiental Chico Mendes 2013, na categoria Ação Socioambiental Responsável.

O programa, que tem como objetivo promover a conscientização ambiental de alunos, educadores e comunidade do entorno das rodovias, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida da população, é realizado desde 2009 pelas concessionárias de rodovias federais controladas pela Arteris (autopistas Régis Bittencourt, Fernão Dias, Fluminense, Litoral Sul e Planalto Sul), nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná e Santa Catarina. Compreende disseminar nas escolas participantes a ideia de preservação ambiental e sustentabilidade. Envolve reuniões pedagógicas com professores da rede pública, nas quais os professores recebem material didático e orientações de como desenvolver o Programa nas escolas em que atuam, trocam informações e aprimoram seus conhecimentos sobre o tema, para repassá-los aos alunos.

Os alunos recebem kits com material sobre meio ambiente e participam do plantio de mudas, gincanas e concursos, entre outras atividades. Os assuntos trabalhados anualmente entram na grade de ensino regular e são abordados junto aos educandos, aliando aprendizado e diversão. Mais de 50 mil crianças e adolescentes de 132 escolas públicas já receberam orientações, por meio de mais de 3.200 educadores.

A realização do Viva Meio Ambiente é apoiada pelas secretarias municipais de Educação, diretorias de Ensino e escolas públicas, e o Programa foi considerado pelo Instituto Chico Mendes como “transformador, na medida em que proporciona educação”, além de integrar as demandas oriundas dos “diversos setores que compõem a sociedade, auxiliando na criação e fortalecimento de políticas públicas”.

O Prêmio Socioambiental Chico Mendes faz parte do Programa de Compromisso com a Gestão Socioambiental Responsável (Procert), do Instituto Chico Mendes, e promove a Responsabilidade Social, com exemplos de soluções integradas para o desenvolvimento, justiça social e equilíbrio ambiental no Brasil. O Procert é signatário ao Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) e é considerado um dos maiores reconhecimentos do país quando o assunto é Meio Ambiente e Sustentabilidade. Além do certificado, a Arteris recebeu também o Passaporte de Responsabilidade Socioambiental Chico Mendes e a concessão do uso do Selo Verde da categoria Ação Socioambiental Responsável.

Sobre o Instituto Chico Mendes

O Instituto Internacional de Pesquisa e Responsabilidade Socioambiental Chico Mendes – INPRA é uma organização não governamental sem fins lucrativos. Nasceu em 2004, com a finalidade de promover o desenvolvimento sustentável por meio de ações de educação ambiental, conservação e preservação ambiental, promoção da cidadania e desenvolvimento social, entre outras.